Técnicas de lavagem – Yamá Cosméticos

47

O que saber para aderir às técnicas de pouco ou nenhum shampoo?

Na hora de cuidar dos cabelos, parece que não param de surgir novas técnicas e modismos, não é mesmo? E com tantas palavras novas, às vezes fica difícil acompanhar todas essas tendências.

Uma que tem feito muito sucesso é o uso de pouco ou nenhum shampoo, também conhecida como técnica de less poo ou menos sulfato. Para você, parece um pouco estranho falar em lavar os cabelos sem shampoo? E, afinal de contas, o que é o sulfato – e por que ele se tornou um vilão para os fios?

Compartilhe dessas e de outras dúvidas? Então continue lendo este artigo e saiba tudo sobre o tema!

O que é a técnica de pouco ou nenhum shampoo?

A técnica de pouco ou nenhum shampoo consiste em lavar os cabelos com produtos que tenham menos ou nenhum sulfato. O sulfato é um ativo químico presente na maioria dos shampoos que tem a função de retirar as impurezas do couro cabeludo e também dos fios.

Porém, ele também acaba retirando de maneira muito brusca a oleosidade natural do couro cabeludo, deixando-o ressecado.

O resultado pode ser tanto cabelos mais secos como mais oleosos (devido ao efeito rebote, ou seja, ao retirar bruscamente a oleosidade, o couro cabeludo fica desregulado e entende que precisa produzir mais óleo para repor o perdido, levando a uma situação de oleosidade extrema).

Embora as técnicas tenham começado com as cacheadas e crespas, elas podem ser usadas por qualquer pessoa. No início, essas mulheres foram as primeiras a notar como seus cabelos ficavam mais bonitos sem o sulfato. Isso porque os cabelos cacheados e crespos tendem a ser naturalmente mais ressecados do que os lisos (devido à curvatura natural do fio).

Quais os benefícios de produtos com menos sulfato, parabenos e silicones?

Para aderir as técnicas, as mulheres passaram a usar produtos com menos ou nenhum sulfato – e que também não contenham outros ingredientes como parabenos e silicones. São o que chamamos de “produtos liberados”.

Os parabenos são conhecidos por oferecerem um risco maior de alergia à algumas pessoas, por isso não são usados nas técnicas. Já os silicones, na grande parte das vezes, são insolúveis em outras substâncias que não sejam o sulfato.

Então, se você usar uma máscara de tratamento que tem silicone, mas um shampoo que não tenha tanto sulfato, os silicones permanecerão nos seus fios – causando uma série de problemas. É por isso que eles não são liberados para as técnicas, pois os shampoos com menos sulfato não conseguem retirá-los totalmente.

Na técnica de nenhum sulfato, o que é usado para lavar a cabeça são condicionadores limpantes. Em geral, eles possuem uma fórmula um pouco diferente dos condicionadores tradicionais e são chamados de “cowash”. Assim, eles oferecem uma limpeza ainda mais suave do que os shampoos com pouco sulfato, sendo ideais para quem sofre com os fios ressecados.

Componentes liberados

Como você viu, já que a limpeza dos produtos sem ou com pouco sulfato é mais suave, quem adere a técnica terá de ler os rótulos dos produtos, procurando aqueles que sejam livres de: petrolatos, óleo mineral, parafina e silicones.

Em geral, os produtos liberados costumam contar com essa informação no rótulo, vindo com dizeres como: zero petrolatos, liberados para pouco ou nenhum shampoo, sem sulfato e parabenos, com pouco sulfato etc. Mas é sempre importante dar uma conferida no rótulo para ter certeza se essa informação procede.

O sulfato também não é permitido. Ele pode vir nos rótulos com vários “nomes”, como: Lauril Sulfato (Sodium Lauryl Sulfate), Sulfato de Sódio (Sodium Laureth Sulfate) e Lauril Sulfato de Amônio (Ammonium Laureth).

Benefícios

O primeiro benefício das técnicas – e um dos mais procurados – é justamente o equilíbrio da oleosidade do couro cabeludo. Sem a agressividade do sulfato, aos poucos, o couro voltará a regular a produção de óleo.

Isso significa que a técnica pode ajudar tanto quem tem os cabelos ressecados como quem sofre com a oleosidade excessiva.

Além disso, em geral esses produtos, por não conterem tantos agentes químicos, costumam ter ingredientes naturais na sua formulação, como babosa, óleo de coco, camomila, macadâmia, açaí etc., que agem nutrindo a fibra capilar de uma maneira mais leve e natural. Isso também reduz o risco de alergias e é essencial para quem costuma sofrer com o problema.

Quem tem os cabelos oleosos, no começo pode notar um agravamento do problema. Mas isso acontece só até o couro cabeludo começar a balancear a produção de óleo – e então a questão tenderá a reduzir e normalizar.

Para as cacheadas, crespas e onduladas, outro benefício é que os fios costumam ficar mais definidos, trazendo à tona a beleza desses cabelos. Os lisos também colhem benefícios das técnicas, principalmente a redução do frizz, o aumento do brilho e da sedosidade.

Para quem essas técnicas são indicadas?

Todas as mulheres podem começar a usar as técnicas de pouco ou nenhum shampoo, afinal não existem restrições quanto ao tipo de cabelo, a idade ou qualquer outro ponto.

Em geral, as pessoas com cabelos muito oleosos ou muito ressecados são as que mais se beneficiam das técnicas, mas elas ajudam a recuperar qualquer tipo de cabelo, independentemente da curvatura.

Quem tem os fios coloridos ou descoloridos, também pode usar as técnicas, que, inclusive, agridem menos o cabelo, que já está mais sensibilizado devido à química.

De qualquer forma, muitos especialistas recomendam que se tenha equilíbrio. Por exemplo, se você quer aderir a técnica de nenhum shampoo, investindo no cowash, é bacana, pelo menos, 1 vez a cada 15 dias ou 1 vez por mês usar um shampoo com sulfato, só para dar uma turbinada na limpeza. Ou então usar produtos com anfótero na base, que tem um poder limpante um pouco maior.

Agora ficou mais fácil entender o que é a técnica de pouco ou nenhum shampoo? Ajude as suas amigas: compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais! 😉


Fonte: Yama

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Visagismo Brasil.

Comentários