Grávidas – Yamá Cosméticos

52

Como cuidar dos fios após a gestação

A gravidez é um momento lindo e emocionante, o qual, entre outras coisas, faz com que o corpo da mulher passe por uma série de transformações. E muitas delas continuam no pós-parto, em especial durante a amamentação.

Os hormônios são o grande responsável por todas essas alterações, inclusive se refletindo nos fios. É comum que muitas recentes mamães sintam problemas como: cabelos mais finos, queda, quebra, perda de brilho, entre outros.

Você está passando por esse momento? Continue lendo o nosso artigo e veja as dicas e informações bacanas que separamos!

Por que o cabelo muda no pós-parto?

Como dissemos na introdução, as alterações hormonais são as principais responsáveis por essas mudanças capilares. Durante os nove meses de gestação, é comum que o período catágeno seja maior.

Isso significa que muitas grávidas podem sentir os fios mais bonitos, cheios e sem queda. E não é raro as mulheres relatarem estar com os cabelos melhores do que antes de engravidarem.

Mas, em torno de 2 a 4 meses após o parto, os cabelos tendem a cair, já que os hormônios começam a retornar ao normal e há o fim da fase catágena (ou seja, de estabilização capilar).

Por isso, muitas recém-mamães, além de toda a adaptação com a amamentação e a chegada do bebê, ainda precisam lidar com o que os médicos chamam de “telógeno pós-parto”, que nada mais é do que a queda dos fios que nasceram e cresceram durante a gestação.

Como esses fios caem todos de uma vez só, a impressão que temos é de uma queda extremamente acentuada. Porém, o normal é que esse processo comece a se estabilizar após o sexto mês.

Essa queda nada tem de relação com a amamentação (como muitas costumam pensar) e independe do cabelo ser seco, oleoso, liso ou cacheado. Ela acontece justamente devido à estabilização dos níveis hormonais.

Mas, se você está sentindo que seus cabelos estão caindo de forma muito intensa, notou falhas ou o problema se manteve após o oitavo mês, a dica é procurar um médico dermatologista para investigar o problema, já que o desequilíbrio pode ser causado por outras questões de saúde – como a alopecia androgenética, a depressão pós-parto, as doenças autoimunes, os problemas na tireoide, as disfunções nutricionais etc.

Quais os principais cuidados com os cabelos após a gestação?

Antes de fazer qualquer tipo de tratamento estético, é essencial conversar com seu médico. Afinal, dependendo dos princípios ativos alguns produtos podem ser não recomendados. Veja algumas dicas liberadas e capazes de ajudar no pós-parto.

Cabelos presos

Cuidar do bebê e de todas as novas demandas que a chegada de uma criança traz, faz com que muitas mamães acabem passando mais tempo com os fios presos.

Esse hábito pode levar ao arranchamento dos fios é a até a alopecia de tração (que é um tipo de calvície) – um caso irreversível no qual os cabelos não voltam a crescer.

Por isso, a dica é repensar o corte ou usar redes e toucas para prender os cabelos. E, claro, evitar fazer rabos muito “fortes” que puxem demais a raiz do cabelo e nunca prendê-los úmidos ou molhados, pois pode favorecer o crescimento de fungos, caspas e outras disfunções no couro cabeludo.

Produtos naturais

Na hora de escolher os shampoos e condicionadores é importante ficar de olho no tipo de cabelo que você possui e também na fórmula dos produtos.

Quanto mais naturais forem os princípios ativos, mais segura será a utilização. Assim prefira aqueles à base de óleo de coco, alecrim, extrato de flores, aveia, manteiga de karité, aloe vera, óleos de chá verde, entre outros mais naturais.

Uma boa dica é investir nos shampoos com pouco sulfato. Eles agridem menos os fios, não retiram bruscamente a oleosidade e ainda são mais naturais, oferecendo uma limpeza suave. A Yamasterol conta com uma linha super bacana de Less Poo e Condicionador indicada para cuidar dos fios de forma natural, deixando-os brilhantes e sedosos.

Tratamentos

Muitas mulheres reclamam também que os fios no pós-parto se tornam mais frágeis e quebradiços. São muitas as causas por trás desse problema, mas melhorar os cuidados com os fios é capaz de reverter várias delas.
Por isso, vale a pena investir em um cronograma capilar, ou, ao menos, potencializar as hidratações. Para os cabelos mais quebradiços, é possível investir em hidratações até 2 vezes por semana, nutrição 1 vez a cada 15 dias e reconstruções 1 vez por mês.

Novamente, procure produtos mais naturais e que não contem com química. Por exemplo, a linha de Multifuncionais da Yamasterol. É possível usá-los tanto como máscaras de tratamento, como condicionador ou leave-in.

Você encontra multifuncionais para todas as necessidades: hidratação, reconstrução e nutrição.

Alimentação

Cuidar dos fios “de dentro para fora” é outra recomendação importante. Isso significa reforçar os cuidados alimentares, garantindo que você está ingerindo quantidade suficiente de proteínas, vitaminas e minerais.

No pós-parto, alguns dos nutrientes mais importantes são: ferro, cálcio, zinco, vitaminas do complexo B e, claro, as proteínas. Para isso, inclua no seu cardápio: carne de boi, fígado, ovos, frango, vegetais verde escuro, soja, legumes e levedo de cerveja.

Também vale à pena conferir com o seu médico se você não está com nenhuma deficiência de vitamina. Caso esse seja o caso, ele irá lhe prescrever o tratamento adequado.

Se você anda notando que seus fios estão mais oleosos que o normal, saiba que essa também é uma alteração comum no pós-parto. A dica é investir em produtos específicos para esse tipo de cabelo e evitar máscaras, condicionadores e leave-in que sejam mais pesados e encorpados.

Para quem anda brigando com o “frizz”, uma alternativa é usar um pouquinho de óleo finalizador apenas nos fios mais arrepiados. Geralmente, eles são os fiozinhos novos que começam a nascer depois do período de queda.

Gostou das nossas dicas para cuidar dos fios após a gestação? Siga o nosso perfil no Instagram e receba outros conteúdos bacanas como este!


Fonte: Yama

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Visagismo Brasil.

Comentários